Enigma

Serás tu meu amor?
Se fores onde andarás...
Incoerência; quanto versos loucos
Nessa incongruência
Amas o feio desprezas o belo
Alguns chamam de turvo
Mas é a tua visão!
Parvos, tolos, loucos
Todos andam, todos amam
Alguns sua loucura

Viagens à mente, profundo abismo
Inesgotável fonte
Decifra-me! Será que podes?
Sussuro-te como brisa
Quero que me ouças
Desejo que me decifres
Será que deves?

Mil mistérios tenho a te revelar
Sem palavras num simples tocar
De leve em tuas mãos
Tu foges sem ver que sou tão exposto
Cativaste-me devias saber

Me tem como prêmio, me leva contigo
Pois quero entender
Que estando a teu lado
Onde as formas se encaixam
Em simetria genial


Yin, Yang contem o universo
Na palma da mão
Decifra-me!

J. Sollo
Postar um comentário

Postagens mais visitadas