A CANÇÃO DO AMIGO

Mentes se tocam
Almas que se completam
Nao conhecem nem o tempo nem a razão
Amores etéreos nascidos da imensidão


São tanto abraços sem existir o tocar
Cumplicidade prematura entre eu e você
Pegadas dos mesmos passos a se sobrepor
E nossas vidas ligadas pelos nos invisíveis do amor

Amigos suponho sejam assim...
Elfos e fadas que possuem magia no cantar
E olhares tão ávidos a espera no cais
Pra sufocar a saudade que nao os deixa jamais

Então te canto e a canção é assim:
Amigo és porto seguro, és abrigo enfim
Que descobre nos olhos o que jamais revelei
Vê nas entrelinhas a solidão que sempre ocultei.

J. Sollo
Dedicada aos poetas do Mar de Poesia.
1 comentário

Postagens mais visitadas