BREVE

Veio breve como a luz de brilho fugaz Ilusão de um momento mais uma estrela a se apagar

Há tantas no universo, todas que brilham até fenecer.

Das galáxias longínquas parece vir meu tormento
O encanto das estrelas deixo para os que podem voar
Não a mim que tenho algemas nas mãos.
                     
Tudo passa e se esvai, eu contudo perco os anos a seguir estrelas, Desejo as que não posso ter sob meus olhos, sua luz me ofusca e só.

A poeira que desprendem à noite e seu rastro fugaz
Enlouquecem minha razão e não partem as correntes, não tocam a ávida tez, pois são estrelas existem para brilhar. 

Eu as seguiria se pudesse levitar se ao menos meu sonhar fosse leve e meus braços livres ao seu encontro voaria, inebriado fartar-me-ia desse abraço e transpassaria todas as galáxias, desdenharia de toda insana convenção.

Contudo tua voz, teus passos, teus braços, a esperança que nunca se torna real, a cada dia novamente se esvai entre os dedos e ardem sob meus olhos... 

São como estrelas, não as posso alcançar... 



Postar um comentário

Postagens mais visitadas