RAZÕES

Meu coração é um porto
No qual abrigo muitos navios
Carregados de dissabores e ilusões
Que se perderam sem acalanto
E sem voltar


No meu travesseiro tem um cantinho
que não seca
Pois as dores que eu canto
Nascem de uma dor que não invento
Foi o mundo que plantou em mim
Hoje dá frutos tristes e constantes
Todos de amargo sabor


Perdi meus sonhos todos
Não sei por onde os deixei
Só sei que perdi
Pois onde antes havia a vontade
de chegar e ficar
Tornou-se em saudade e na pressa de fugir


Meu coração não sei mais por onde anda
Nem sei mais como procurar
De cicatrizes está cheio, não há mais lugar para ferir


Morte não vou pedir, como o passado querer?
Se vida eu já não tenho, eu há muito que morri


J. Sollo
2 comentários

Postagens mais visitadas